Órgão oficial francês denuncia tratamento a imigrantes no país

Imigrantes cruzam rio na Itália perto da cidade de Ventimiglia, a caminho da França (Foto: AP/Chiara Carenini)

Para a Comissão Nacional Consultiva de Direitos Humanos, os poderes públicos franceses ‘renunciaram ao princípio de humanidade’.

A Comissão Nacional Consultiva de Direitos Humanos (CNCDH) francesa disse estar “profundamente consternada” com o tratamento dado aos imigrantes na fronteira franco-italiana, “onde a República ignora os direitos fundamentais”.

A Comissão denunciou “as violações dos direitos” dos imigrantes e “as práticas alarmantes observadas nessas duas zonas fronteiriças” e considerou que os poderes públicos “renunciaram ao princípio de humanidade”.

A CNCDH, cujas análises têm valor de consultas, já havia dado declarações muito severas em maio passado sobre a política migratória do governo francês, em especial no que diz respeito aos imigrantes que tentam chegar à França, cruzando os Alpes.

Para a comissão, a França não respeita várias garantias legais dos imigrantes, como a realização de entrevistas profundas para conhecer sua situação.

Denuncia ainda a existência de “lugares de privação da liberdade improvisados e que não respeitam os direitos”, pedindo o “fechamento imediato” dessas instalações.

O tratamento recebido pelos imigrantes na fronteira entre França e Itália é, com frequência, alvo de denúncias de ONGs. Na última sexta-feira, a Oxfam criticou a política de envio dessas pessoas em situação ilegal de volta para a Itália, incluindo crianças, “em violação das leis francesas e europeias”.

Créditos France Presse Por France Presse