Pecuarista embriagado dá 13 tiros em bar e usa filha como ‘escudo humano’ para evitar abordagem, diz polícia

Polícia apreendeu arma usada por suspeito para efetuar disparos na via pública em MS — Foto: Polícia Militar/Divulgação

Policiais pediram reforço e tiveram de arrombar as portas do imóvel, já que o suspeito não respondia. Ele também deixou a filha em casa e deve responder por abandono em MS.

Um pecuarista de 48 anos foi preso em flagrante, no início da madrugada deste sábado (26), em Campo Grande, após efetuar 13 disparos de arma na rua, nas proximidades de um bar e, em seguida, tentar se esconder na casa dele. A polícia tentou inúmeras abordagens, acionou reforço e, após escutar vozes de criança, constatou que o suspeito estava usando a filha, de 9 anos, como escudo humano.

O delegado Enilton Pires Zalla, plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro, disse que a ação se estendeu durante toda a madrugada e o homem não quis dar declarações. Ele está na delegacia acompanhado de dois advogados. A namorada dele e outras duas pessoas, que também estavam no local, foram ouvidas como testemunhas.

Conforme o registro policial, os policiais foram acionados para verificar os possíveis disparos em via pública, na rua da Paz, Jardim dos Estados. Ao chegar no local, um policial civil disse que presenciou o crime e o suspeito entrando no casa, porém de longe, ainda de acordo com o relato.

A equipe cercou o imóvel, para evitar qualquer tentativa de fuga. Eles abriram o portão de elevação dos fundos, juntamente com o policial civil. A intenção era prendê-lo ainda no quintal, mas, após varredura, ele não foi localizado.

Os policiais então constataram que havia movimentação em um dos quartos, com a luz acesa e certa abertura na janela. Eles disseram que, neste momento, alguém fechou toda a janela e apagou a luz, momento em que tentaram falar com o morador, dizendo: “Senhor, aqui é a Polícia Militar. Abra a porta e saia com as mãos na cabeça ou onde podemos vê-la”. “Tem mais alguém na casa, além de você”, entre outras ordens.

Sem sucesso, os militares acionaram unidades especializadas da força tática. Com os equipamentos adequados, como escudo e aríete, os policiais entraram pela porta da cozinha. Eles ainda danificaram outros obstáculos, quando ouviram vozes de uma possível criança. As equipes disseram que recuaram. Já na calçada, abordaram as pessoas que estavam em uma caminhonete, identificando a namorada do suspeito e um casal de amigos.

Todas elas confirmaram que, possivelmente, a criança estaria dentro do imóvel. Os policiais constataram que havia uma crise instaurada, principalmente porque o homem se negava a abrir a porta. Equipe do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) foi acionada e tentou diversos contatos, ligando inclusive no celular do suspeito.

Sem alternativa, os policiais decidiram arrombar a porta do quarto. Ao abrir, o homen não demonstrou nenhuma agressividade e foi preso. Já a criança foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e, conforme a polícia, ela estava “estrategicamente posicionada na porta da garagem”. Com o homem, foi encontrada uma pistola 9 mm de uso restrito, além de um carregador e duas munições intactas.

Foram recolhidas 12 munições deflagradas. Em depoimento, testemunhas ressaltaram que o homem estava no bar, ao lado da namorada e outras pessoas, quando, sem motivo aparente, sacou uma arma e efetuou os 13 disparos. As testemunhas ainda falaram que ele estava ingerindo bebida alcoólica e ainda “praticou o crime de abandono de incapaz, pois, deixou sua filha sozinha em casa e foi ao bar beber com sua namorada e amigos”.

“Estou finalizando o flagrante e ele deve responder por abandono de incapaz, além de disparo de arma de fogo e posse ilegal de arma de fogo”, finalizou o delegado. Somadas, as penas ultrapassam 15 anos de reclusão.

Créditos Graziela Rezende